Anuncios

 

14/08/2016
Obs. Lição Bíblica do 3° trimestre de 2016 – classe de Jovens.
TEXTO DO DIA
Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o SENHOR dos Exércitos (Is 6.5).

SÍNTESE
O profeta tem a visão extraordinária da glória de Deus, deixa de lado sua autossuficiência e experimenta o perdão amoroso do Pai.

Leia também:    

AGENDA DE LEITURA
SEGUNDA  - ls 6.1-4: Deus manifesta sua glória a Isaías
TERÇA - Is 6.5: Isaías reconhece sua fragilidade
QUARTA - Is 6.6,7: Deus purifica o profeta
QUINTA - Is 6.8-10: Deus convoca Isaías para pregar ao povo
SEXTA - Rm 10.14,15: A Boa-Nova é anunciada por aqueles aceitam o desafio
SÁBADO - Mc 1615,16: O chamado de Deus é para todos


TEXTO BÍBLICO
Isaías 6.1-8

OBJETIVOS
DESCREVER os detalhes da visão do profeta Isaías;
ENTENDER como e por que ele precisou ser purificado;
COMPREENDER como se deu a chamada e a resposta de Isaías.

INTERAÇÃO
Professor, utilize a experiência que Isaías teve com Deus para enfatizar a necessidade de termos uma experiência com o Espírito Santo. Fale a respeito do batismo com o Espírito Santo. Tal experiência é de vital importância para o jovem. Desperte em seus alunos o desejo de buscar uma vida de comunhão com o Espírito Santo. Ressalte também os dons e capacitação que o Espírito Santo concede para realizarmos a obra de Deus, conforme descrito em Atos 1,8. Se possível ore com eles ao final da lição pedindo um revestimento de poder.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
A lição de hoje trata da chamada e da purificação do profeta Isaías. É um momento muito especial para abordar também a chamada que Deus tem na vida de cada jovem. Providencie uma folha de papel e escreva as seguintes questões: "Qual é a chamada de Deus para sua vida?"; "É uma chamada a uma mudança radical?" "Quais são as mudanças em sua vida que você precisa ter para viver essa chamada de Deus?" Dê alguns minutos para que os alunos refutam e respondam as questões. Em seguida, peça que alguns compartilhem com a classe suas respostas. Depois, solicite que eles orem pedindo a Deus forças e sabedoria para viverem o chamado de Deus e terem unia vida de comunhão com o Espírito Santo.
INTRODUÇÃO
A chamada do profeta Isaías é uma das passagens bíblicas mais celebradas de seu livro. Certamente todos já ouviram alguma pregação a respeito dela nas mais variadas formas de interpretação.

O atrativo do texto se dá pela manifestação da glória de Deus de uma maneira extraordinária, viva e transformadora para o profeta. Diante da experiência que ele tem com Deus, tudo se transforma em sua vida; ele não somente vê, sente, ouve e age dentro da visão, mas também tem uma nova perspectiva de vida a partir da visão; seus valores, vontades, desejos e consagração a Deus mudam. Agora ele está totalmente entregue e absorto à vontade de Deus, independentemente dos resultados alcançados.
O mais impressionante é que os resultados de seu ministério para com Israel são paradoxais em relação à grandeza da revelação que ele tem. Seu ministério não terá resultados práticos entre o povo, mas suas palavras e sua vida foram purificadas pela experiência gloriosa.

I- A VISÃO SANTA
1. A crise do profeta.
Isaías provavelmente era um parente próximo do rei Uzias. Assim, desfrutava de privilégios junto ao palácio real, era como se fosse o profeta oficial, pertencente ao clero remunerado, com estabilidade, segurança e demais benefícios do favor real Quando o rei morre, o futuro do profeta entra em questão. O que será daqui para a frente? Como as coisas vão se resolver e organizar? Como será o governo do rei Jotão? As coisas ficam difíceis porque o rei deixa o povo continuar na idolatria (2 Cr 27.2).
Aquilo que para o profeta era algo certo passou a ser duvidoso. Ele percebeu que precisava estar com Deus, sozinho, pois sua situação era caótica. Assim, instalou-se a crise no profeta e criou-se o ambiente para o encontro santo, magnífico, assombroso e transformador com o Todo-Poderoso. Ele vai ao Templo para orar e adorar buscar a presença de Deus.

2. O assombro e o terror majestoso.
O que o profeta vê lhe causa terror e assombro, diante da grandeza da majestade que se revela a ele. Ele vê o trono de glória (do hebraico kabod: carga, energia) de onde todas as coisas materiais e espirituais tomam vida, fôlego e forças, e vê a fumaça que esconde, envolve e permite descobrir em partes o Todo-Majestoso. Têm a visão dos serafins (do hebraico "incandescente"), seres que assistem e adoram no trono de Deus, e ouve a suprema adoração desses seres (Is 6.3).

A revelação de Deus para nós, embora completa em Cristo, ainda permanece cercada de mistérios. Deus ê santo não somente na qualidade moral, mas principalmente no fato de ser inacessível. Isaías se espanta por Ele se tornar acessível a um pecador como ele, demonstrando que ê possível que Deus se esvazie parcialmente de sua glória para se revelar ao homem mortal e transformar a sua realidade (Fp 2.7).

3. A constatação assustadora.
Diante da santidade de Deus que se revela ao profeta, não há outra coisa a fazer a não ser ficar assombrado, pois fica muito claro o contraste entre o Santo de Israel e o pecador; mas Ele não se revela para condenar, e sim para perdoar, A visão lhe dá a constatação mais difícil para qualquer ser humano - a sua pecaminosidade e miséria - levando-o a uma confissão que sai do profundo do coração: "ai de mim, que vou perecendo!" (Is 6.5). Ele reconhece que as suas palavras, bem como o mundo a sua volta que se organiza por essas palavras, estão repletas de impurezas, ou seja, palavras vazias, tolas, maldizentes, egoístas, que não levam Deus em conta. Elas são fruto de um interior cheio de pecados. Jesus mesmo disse que "a boca fala daquilo que o coração está cheio" (Mt 12.34).

Pense!
Deus chama, capacita e sustenta, mas antes de tudo Ele busca de nós disponibilidade e aceitação de seu chamado. Deus conta com você para a manifestação de sua vontade ao mundo.

Ponto Importante
O chamado do profeta Isaías é relatado nos primeiros capítulos do livro a fim de deixar claro que seu ministério, apesar de ser complexo, nasceu da orientação divina.

II - A PURIFICAÇÃO DO PROFETA
A misericórdia que Leva ao arrependimento. Uma profunda tristeza tomou conta do profeta diante da constatação de pecador. Ele permanece perto do Santo por um tempo suficiente para constatar a impureza e depois recebe dEle a brasa viva purificadora.

Se o profeta não tivesse passado tempo com o Senhor, teria vivido em trágica ignorância de quem Deus era e de seus caminhos para ele e para o povo. Somente a presença do Senhor pode detectar em nós aquilo que ainda precisa ser purificado. Por conta e vontade própria, esse processo será superficial e incapaz de produzir transformações verdadeiras e duradouras. É o entrar no Santo dos Santos, que nos foi possibilitado pelo sacrifício de Cristo (Hb 10.20), que nos permite constatar quem realmente somos e o que Deus espera de nós. Sua essência é ser santo e toda relação com Ele supõe a consciência de que é paradoxal e impossível estabelecer contato com aquEle que é santo. Isso faz com que o profeta grite por misericórdia ao perceber seu estado.

2. A brasa purificadora. 
Deus não deixa o profeta em desespero. Se Ele não interviesse com a brasa, o profeta seria destruído. Mais uma vez a misericórdia e graça de Deus se manifesta, diante da culpa e incapacidade humana de alcançar êxito no esforço de santificação, Ele mesmo intervém bondosa e amorosamente. Com certeza é um processo doloroso a purificação, mas altamente desejável e necessária para qualquer jovem cristão que queira andar com Deus em verdade. Não se pode entender a purificação como algo pronto e acabado, pois ao andar com Deus, continuamente, serão necessárias novas investidas de purificação, tendo em vista que enquanto aqui andarmos nossos pés se sujarão com as coisas do mundo e não seremos perfeitos. A busca ansiosa por perfeição poderá se transformar numa neurose doentia; por isso a necessidade de andar com Deus.

3. Culpa removida e pecado perdoado. 
Um alívio toma conta do profeta pecador quando este ouve a voz proclamando que está tudo perdoado. Para nós é o grito que ecoa do Calvário anunciando: "Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem" (Lc 23.34). Ao aceitarmos e crermos que Jesus tem poder para perdoar nossos pecados e aliviar nossa culpa, somos imediatamente aceitos como filhos e todo peso é retirado,
o fardo se torna leve e suave (Mt 11.30), No caso do profeta, apenas ouvir a voz já lhe bastou para saber que agora suas palavras e sua consciência estavam purificadas pelo poder daquEle que enchia o templo com sua glória; o Santo que não tolera o pecado, mas que ao mesmo tempo é misericordioso, amoroso e perdoador.

Pense!
Às vezes não conseguimos fazer a obra de Deus porque nos sentimos culpados. Deus é misericordioso para purificar nossos pecados e deixar-nos livres para servirmos em amor e alegria.

Ponto Importante
O serviço a Deus deve ser feito com honestidade, transparência e integridade. Esses elementos são essenciais para o bom andamento da vontade de Deus. Por isso, antes de Deus chamar o profeta, Ele primeiro transforma e purifica a vida dele.

III. A CHAMADA DO PROFETA
1. Uma mudança radical.
A santidade é um convite para trabalhar com Deus do jeito dEle para impactar o mundo. O chamado do profeta não lhe é imposto. Deus lhe faz uma pergunta e o convida a uma resposta; ele tem Liberdade de dizer sim ou não, mas diante da grandeza e da santidade de Deus, sua vontade é se sujeitar inteiramente. O chamado de Deus nunca é imposto; é um convite a ser respondido em amor diante da grandeza do amor que nos constrange (2Co 5.14).

2. Envia-me a mim.
Isaías vê o Santo, é purificado por Ele e se vê chamado a um trabalho santo. Porém ele é informado de que não terá bons resultados. Terá muita autoridade e santidade, mas não será ouvido (Is 6.9-10). O resultado será mais rebeldia e desobediência, e em consequência o país seria destruído e devastado (Is 6.11).

O povo já está com o coração duro, mas a mensagem de Isaías o endurecerá ainda mais, como num claro gesto de recusa, pois sem a palavra do profeta a recusa poderia parecer superficial e a consciência ficaria tranquila, mas assim as máscaras caem e aparece a verdade da falsa religiosidade e da rebeldia que precisa ser rechaçada.

3. A santa semente.
Sobrará uma floresta de troncos decepados, uma nação de troncos, mas desses troncos brotará uma semente que fará toda a diferença, Cristo, que purificaria e salvaria não somente o povo de Israel, mas todo o mundo (Jo 3.16). O resultado do ministério do profeta mostra que o ativismo e a busca desenfreada por sucesso em tudo que se faz nem sempre é o desejo de Deus.
Histórias deslumbrantes e testemunhos arrebatadores nem sempre estão de acordo com a santidade de Deus. São as tentações do mundo, da carne e do Diabo (1Jo 2.16), com promessas de gratificação, muitas vezes imediatas, que nos levam a ter desejos de uma vida melhor que não levam em conta aquilo que o Senhor pensa e quer, pois é do tronco feio e queimado que brotará a vida abundante.

Pense!
Isaías é enviado a um povo que já está com o coração endurecido. Nem sempre Deus vai nos levara realizar ministérios fáceis, com glórias, e nos colocar na vitrine religiosa.

Ponto Importante
O chamado do profeta não lhe é imposto. Deus lhe faz uma pergunta e o convida a uma resposta; ele tem liberdade de dizer sim ou não.

SUBSIDIO
"E na presença de Deus que os seres humanos, finitos e limitados, são: Convencidos de pecados; expurgados do pecado e chamados a ministrar, A oração de consagração feita por Isaías, seguindo-se ao ato de purificação, lançou as bases para a chamada divina que veio imediatamente após. A rendição da vontade e a purificação do coração é que permitiram a Isaías receber o comissionamento divino: Vai e dize a este povo'. Era uma mensagem difícil mas havia esperança. Deus teria um remanescente, uma santa semente.
[...] Às vezes pode parecer que Deus nos desamparou. Contudo, podemos confiar que tudo quanto Ele está fazendo coaduna-se perfeitamente com seu imutável amor, Ele nos está podando e purificando. A disciplina de Deus não anulou seu desejo e determinação de abençoar o povo de Israel como nação. E olhe que eles também experimentaram o silêncio de Deus, Foi a uma circunstância assim que Isaías se referiu na sua última oração.

O chamado se confirma na oração, na intimidade e comunhão com Deus. As adversidades do chamado são atravessadas e enfrentadas na caminhada sincera de rendição e oração a Deus (BRANDT, L. Robert; BICKET, J. Zenas. O Espírito nos Ajuda a Orar; uma Teologia Bíblica da Oração, 1ed, Rio de Janeiro: CPAD, 1996. pp, 175-177).

CONCLUSÃO
O profeta deixa de lado sua autossuficiência (ai de mim"), experimenta o perdão amoroso ("tua iniquidade foi tirada"), recebe o convite para trabalhar para o Senhor (quem enviarei) e dá uma resposta cheia de fé e obediência ("Eis-me aqui. Envia-me!) Em resposta a sua submissão, ouve Deus lhe dizendo que todas as grandes nações do mundo (Assíria e Babilónia) seriam destruídas, mas a herança do Senhor, o seu povo, será o remanescente santo que brotará e herdará todas as promessas.

HORA DA REVISÃO
1. Qual era o rei que governou Israel após a morte de Uzias?
Jotão, filho de Uzias.
2. Quais as experiências sensoriais que o profeta tem em sua visão?
Ele vê, sente, ouve, fala e é tocado peio serafim.
3. Quais as principais características da santidade de Deus?
Ele é humanamente inacessível e não se contamina com o pecado.
4. Qual o elemento purificador que o serafim utiliza?
O fogo.
5. Qual lição se tira do fracasso do profeta?

Que nem sempre o sucesso humano é o sucesso de Deus para os seus filhos.

 
Top