Anuncios

 

O mundo ao tratar da tríplice potencialidade inata em todo ser humano, começa pelo seu "poder intelectivo", porém Jesus ao abordar o referido assunto, começa pelo "poder afetivo" (Mc 12.30) de todo o teu coração, e de  toda a tua alma). Portanto, diante de Deus, maior não é quem sabe mais, mas quem mais ama irrestritamente a Deus ("de todo o teu coração e de toda a tua alma"). Na referida passagem (Mc 12.30), Jesus colocou a cognição (o poder intelectivo, "o entendimento"), em segundo lugar. A terceira potencialidade ou faculdade inata no ser humano é a volição; a vontade; o poder de querer "de todas as tuas forças", (Mc 12.30).

I. O CONHECIMENTO - COMO ADQUIRIR-LO
Provérbios 4.7 "Adquire a sabedoria e o conhecimento".
Leia: 1Co 4.14-16; Rm 15.4.
Vejamos os meios e canais de aquisição do conhecimento, inclusive o bíblico e espiritual.
1. A Percepção
É a percepção sensorial mediante os sentidos físicos.
O conhecimento que chega ao intelecto através da percepção, tendo os sentidos fisiopsíquicos como canais de aprendizagem, costuma ser chamado de conhecimento empírico, que na prática do viver humano é chamado de pragmático.
Ver Jó 12.7-11; SI19.1-4; 8.1,3,9; Rm 1.20; Jo 20.29.
Ai estão as gravuras, os quadros, os gráficos, os livros, a imagem, as cenas da natureza, a experimentação, a observação pela vista, pelo ouvido, pelo olfato, pelo paladar, pelo tato.
Como está a nossa percepção fisiopsíquica na aquisição do conhecimento?
O conhecimento mediante a percepção é muito limitado devido a atual fragilidade dos sentidos humanos afetados pelo pecado. Não era assim no princípio, mas o efeito deletério do pecado, mais as doenças e enfermidades, mais abusos cometidos pelo ser humano reduz drasticamente a sua capacidade de percepção.

2. A Razão (= A Mente)
O conhecimento através da razão; da inteligência; da mente; do raciocínio. A razão é mais elevada faculdade do ser humano. Trata-se do estudo metódico, individual ou em grupo; a investigação; a reflexão; a inquirição; a pesquisa.
O emprego devido e organizado da razão conduz ao discernimento do conhecimento e ao tirocínio.
Ver Dn 9.2;Lc1.3;At17.11;Et6.1,2
Como está a atividade do nosso raciocínio na aquisição do conhecimento, necessário em geral?

3. A intuição
Intuição é o conhecimento direto das coisas, sem a ajuda da razão, nem da percepção. É uma forma da pessoa "sentir" e "perceber" psiquicamente.
É um fenómeno psíquico na área da empatia humana. A intuição funciona ao nível da alma da pessoa.
A mulher costuma ser mais intuitiva do que o homem, por ser mais suscetível a "sentir" psiquicamente.
Ver 2 Sm, cap.14 (com destaque no v.20). Ver também Jr 18.18. "O conselho do sábio".
Na nossa aquisição de conhecimento, como está a nossa capacidade "sentir" psiquicamente?
4. A Natureza Humana
Deus ao criar e também formar o ser humano, implantou no Iseu constituinte imaterial, leis Imorais como uma das fontes [de obtenção de conhecimento. 1 Coríntios 11.14" Ou não vos ensina a mesma natureza (.,..)? Trata-se aqui da ordem moral (=as leis morais) implantadas por Deus na criatura humana, que além de outras finalidades é o um meio de aprendizagem. Infelizmente, o homem pela sua incredulidade, práticas pecaminosas e estúpida rebelião contra Deus, na sua ignorância espiritual, ele (o homem) oblitera e atrofia essas leis implantadas pelo seu Criador. Graças a Deus que nós como salvos, e vivendo para Jesus, Ele abençoa o nosso inteiro ser, como novas criaturas nEle: espírito, e alma, e corpo.
Jó 38.36 "Quem pôs a sabedoria no íntimo, ou quem deu à mente o entendimento?"

5. A Meditação Humana
É o conhecimento meditativo acadêmico, científico, filosófico, obtido por meio dos outros; de mestres e também de outras pessoas.
Também, cursos, livros, meios e recursos de aprendizagem; o exemplo dos outros; observar os outros a fazer algo etc.
Às vezes aprendemos mais com a pessoa e a vida do mestre, do que com a sua aula.
Um fator muito influente no aprendizado é a atenção do aluno para com o professor, o interesse do aluno para com a matéria que o professor ensina.
Ver 2 Tm 2.2; At 18.26; Fp 4.9; Mt 11.29 "Aprendei de mim" (disse Jesus).
O exemplo de Paulo, o mestre, e seus auxiliares, ensinando (1 Tm 2.7; 2 Tm 1.11).

Livro de Atos dos Apóstolos
11.26 Paulo ensinando durante um ano à igreja Antioquia. 14.28 Paulo "não pouco tempo com os discípulos, em Antioquia. 15.35 "Ficaram ensinando em Antioquia".
18.4 Paulo ensinando "todos os sábados" em Corinto. 18.11 Ensinando um ano e meio em Corinto.
18.26 Priscila e Aquila, discípulos de Paulo, convidaram o grande Apoio para sua casa, e ensinaram-lhe "pontualmente" (= ponto por ponto) a doutrina bíblica.
19.8 Paulo ensinando "três meses" na igreja em Éfeso. 19.10 Paulo ensinando "dois anos" na igreja em Éfeso. 20.31 Paulo ensinando "três anos e meio" na igreja em Éfeso. 28.30,31 Paulo ensinando "dois anos" em Roma.

6. A Criação
Trata-se aqui do conhecimento adquirido através da natureza, do universo, da criação, do cosmos.
A Criação é um livro de Deus, aberto, cujas palavras são os objetivos, as pessoas, as coisas, a imagem em geral, os céus, campos, rios, animais de todas as espécies, plantas, matas, montes, noites, dias, leis da natureza e seus fenómenos etc.
O crente precisa ser sempre um atento aprendiz da Criação que Deus efetuou e a sustenta.
Ler Gn 1; 2; SI 19.1-4; Jó 12.6,7; Rm 1.21; Jó capítulos 37-41; Jo 1.2,3; Hb 1.2,3; 11.3; At 17.24,25; 2 Pé 3.5 "eles propositalmente (...)".  

7. A Casa Do Senhor
A Casa do Senhor e o culto ao Senhor são também um canal de santa aprendizagem para os que ali "habitam" (SI 84.4), e ali "moram" (SI 27.4), e não apenas frequentam habitualmente.
Infelizmente há igrejas por ai, onde o crente descuidado e imaturo, ao visitá-las desaprende muito do que sabe de bom, de verdadeiro, de doutrinário, de agradável a Deus.
Ler e meditar em SI 26.8; 84.1,2,4,10; Jo 2.17; Hb 10.25; Ag 1.4,8;Ec5.1; SI 93.5; 122.1; At 5.42  á "E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e à de anunciar a Jesus Cristo."
Até que ponto estamos enriquecendo o nosso conhecimento mediante a igreja que frequentamos; seus cultos; suas reuniões; seus eventos?

8. Iluminação Divina
É uma forma de conhecimento espiritual provido por Deus para o crente, no seu viver e serviço para Ele.
A iluminação divina vem pelo Espírito Santo operando no crente. Ela parte do conhecido, ampliando-o; ela não é princípio, criativa, e sim ampliadora.
A iluminação divina faz-nos ver as coisas na perspectivas de Deus.
Ler Ef 1.18-23; Cl 1.8-10; Jo 14.26; 1 Sm 16.7; SI 119.130; Jó I 36.22; 1 Co 2.12,13.  

Artigo de: PR. Antonio Gilberto/Fonte: Ensinador Cristão, n°69/Reverberação: Subsídios EBD
 
Top