FECHAR
Clique e acesse
 

26 de Junho de 2016
Texto Áureo
Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o
sempre. Amém!(Rm 16.27)
Verdade Pratica
Deus deseja que os crentes, alcança­dos pela graça, cultivem relaciona­mentos saudáveis.

VEJA O SUBSÍDIO EM VÍDEO
LEITURA DIÁRIA
Segunda – Rm 16.1,2 - Febe, cooperadora do apóstolo Paulo e da obra do Senhor
Terça – Rm 16.3 - Priscila e Áquila cooperadores do apóstolo em Jesus Cristo
Quarta – Rm 16.5 - Paulo sabia cultivar boas relações interpessoais
Quinta – Rm 16.17 - Paulo recomenda evitar os que promovem dissensões
Sexta – Rm16.21 - Paulo cultiva um bom relacionamento com seus parentes
Sábado – 1Co 3.9 - Sejamos bons cooperadores de Deus para cuidarmos da "lavoura"


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Romanos 16.1-16

1 RECOMENDO-VOS, pois, Febe, nossa irmã, a qual serve na igreja que está em Cencréia,
2 Para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a muitos, como também a mim mesmo.
3 Saudai a Priscila e a Áqüila, meus cooperadores em Cristo Jesus,
4 Os quais pela minha vida expuseram as suas cabeças; o que não só eu lhes agradeço, mas também todas as igrejas dos gentios.
5 Saudai também a igreja que está em sua casa. Saudai a Epêneto, meu amado, que é as primícias da Acaia em Cristo.
6 Saudai a Maria, que trabalhou muito por nós.
7 Saudai a Andrônico e a Júnias, meus parentes e meus companheiros na prisão, os quais se distinguiram entre os apóstolos e que foram antes de mim em Cristo.
8 Saudai a Amplias, meu amado no SENHOR.
9 Saudai a Urbano, nosso cooperador em Cristo, e a Estáquis, meu amado.
10 Saudai a Apeles, aprovado em Cristo. Saudai aos da família de Aristóbulo.
11 Saudai a Herodião, meu parente. Saudai aos da família de Narciso, os que estão no SENHOR.
12 Saudai a Trifena e a Trifosa, as quais trabalham no Senhor. Saudai à amada Pérside, a qual muito trabalhou no SENHOR.
13 Saudai a Rufo, eleito no Senhor, e a sua mãe e minha.
14 Saudai a Asíncrito, a Flegonte, a Hermes, a Pátrobas, a Hermas, e aos irmãos que estão com eles.
15 Saudai a Filólogo e a Júlia, a Nereu e a sua irmã, e a Olimpas, e a todos os santos que com eles estão.

HINOS SUGERIDOS: 10,185,454 da harpa cristã

OBJETIVO GERAL
Compreender que os crentes precisam cultivar relacionamentos saudáveis.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
Compreender a importância das relações interpessoais;
Apontar as ameaças às relações interpessoais;
Apontar a fonte das relações interpessoais.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Com graça de Deus, chegamos ao final do estudo da Epístola aos Romanos. Paulo conclui a carta saudando alguns irmãos e irmãs em Cristo. A lista de saudações é bem extensa. Ele cita judeus e gentios, gente simples e autori­dades. Isso mostra que o líder precisa da ajuda de cooperadores.
Paulo tinha vários cooperadores e não deixou de fazer menção do nome deles. O apóstolo demonstra seu amor por todos os irmãos que cooperavam com a obra de Deus. Na conclusão da Epístola de Romanos, percebemos que o apóstolo Paulo não somente fundou igrejas e pregou o Evangelho de Cristo aos gentios. Ele cons­truiu comunidades de amor, de remidos em Cristo pela graça, que amavam ao Senhor e a sua obra.

INTRODUÇÃO
Os vinte e sete versículos do capítulo dezesseis da Epístola aos Romanos encerram a monumental obra literária de Paulo. Por toda a obra o apóstolo discorreu a respeito dos principais temas da fé cristã e deixou-nos princípios fundamentais que são úteis para a construção de relacionamentos interpessoais. De uma maneira informal, mas com o seu estilo literário característico, Paulo traz à lembrança nomes de pessoas que, de uma forma ou de outra, o ajudaram a construir a identidade cristã do primeiro século. Ele não deixou que esses nomes caíssem no esquecimento, e, no final de sua carta envia-lhes saudações, numa demonstração de gratidão a Deus por tudo o que essas significaram para ele.

PONTO CENTRAL
O crente precisa cultivar relações Interpessoais saudáveis.

I – A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS

1. Valorizando pessoas, não coisas.
Paulo finaliza sua carta primeiramente recomendando a irmã Febe, membro da igreja de Cencreia. Foi através dela que o apóstolo enviou sua epístola à igreja que estava em Roma. A recomendação vem acompanhada de uma observação na qual Paulo reconhece o serviço prestado por ela à igreja de Cencreia: "[...] A qual serve na igreja que está em Cencreia, para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a muitos, como também a mim mes­mo" (Rm 16.1,2).

Ela servia à igreja. O vocábulo servir, usado aqui, traduz o termo grego diakonos, o que tem levado muitos comentaristas a acreditar que ela era uma diaconisa da igreja. O fato é que o apóstolo pôs em evidência a função em vez do ofício. Infelizmente, hoje as coisas estão invertidas. O que vale mais hoje são os títulos e os cargos ao invés do desempenho do serviço cristão.

2. O valor das mulheres.
Paulo fala de Priscila e Áquila, como tendo expos­to suas vidas na causa do Evangelho (Rm 16.3). Esse casal era judeu e havia sido expulso de Roma pelo imperador Cláudio. Agora haviam voltado à capi­tal do império.
Outras referências ao mesmo casal são encontradas em Atos 1H,2,18,26, l Coríntios 16.19 e 2 Timóteo 4-19- Duas observações são importantes m vida desse casal. Primeiramente, Paulo sempre cita Priscila em primeiro lugar. Muitos comentaristas concordam que isso tinha uma razão de ser. Priscila se destacava na obra do Senhor, sendo auxiliada por Áquila, seu esposo. Quem não conhece uma irmã em Cristo que se destaca mais do que o esposo na causa do Mestre?

Paulo não cita apenas Priscila, mas cita outras mulheres de igual desta­que. No versículo 6, ele menciona uma mulher de nome Maria: "Saudai a Maria, que trabalhou muito por nós". Pouco se diz dessa Maria, e o que se sabe é que ela "trabalhou muito" na obra de Deus. Trabalhar aqui traduz o termo grego kopiao, que significa trabalho voluntário. Maria se deu voluntariamente para a obra de Deus. Precisamos de mais "Marias". Que o Senhor envie mais "Marias" para  sua obra.

3. Irmandade e companheirismo.
Na saudação seguinte, sentimos o peso que tinha a comunidade cristã para Paulo e o valor do seu companheirismo (Rm 16.7,8). A igreja é o Corpo de Cristo. Ela é uma grande família.

Conscientizemo-nos da importância que tem a fraternidade cristã para a saúde da igreja. Infelizmente a nossa espiritualidade segue mais um modelo de condomínio, onde ninguém conhece ninguém, do que de uma casa de família, onde todos se conhecem e se relacionam.

SÍNTESE DO TÓPICO I
Precisamos valorizar pessoas e não coisas, estabelecendo relacionamentos interpessoais saudáveis.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Paulo recomenda Febe (16,1)
A palavra que a descreve como serva é diakonia, diácono. Exceção feita pelo seu final feminino, é a mesma palavra em todas as versões em inglês para "diácono nas epístolas pastorais. É usada também para indicar cargo de liderança na igreja.
Aparentemente, Paulo não era tão negativo em relação à liderança feminina quanto muita gente é hoje.

Priscila e Áquila (163). O casal apre­sentado em Atos 18 era bem próximo do apóstolo Paulo e estava profundamente envolvido em seu ministério, É significativo notar que, exceçao feita ao versículo em que os dois são apresentados, o nome da esposa precede o do marido. Tudo indica que os dons de Priscila eram maiores do que os dons do cônjuge e a Escritura ë testemunha do respeito que ela gozava na igreja primitiva" (R1CHARDS, Lawrence O, Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Génesis a Apocalipse capítulo por capítulo, lO.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p, 752).

VOCÊ SABIA?
* Febe
"Febe morava na cidade de Cencreia, um porto localizado a oeste de Corinto, cerca de dez quilómetros do centro desta cidade. Era conhecida como uma diaconisa, isto é, uma ajudante na igreja local. Aparentemente, ela era uma pessoa rica que ajudava a manter o ministério de Paulo. Febe era muito concei­tuada na igreja de Cencreia e pode ter sido a portadora desta carta, levando-a de Corinto a Roma. A saudação de Paulo a ela é uma evidência do importante papel que as mulheres desempenharam
na Igreja Primitiva/' Para conhecer mais leia Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, CPAD, p. 1578.

II - AS AMEAÇAS ÀS RELAÇÕES INTERPESSOAIS

1. Individualismo.
No meio das saudações, o apóstolo Paulo, de for­ma abrupta, põe uma advertência: "E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles" (Rm 16.17).
Al­guns comentaristas acham que esse versículo se encontra deslocado do restante dos demais. Mas, a verdade é que ele está no lugar onde deveria estar. Paulo via como uma ameaça a quebra da koinonia cristã. Portanto, era um perigo às relações interpessoais, o individualismo daqueles que promo­viam dissensões. Esse individualismo está caracterizado no fato de que eles serviam ao seu próprio estômago ou ventre. Viviam para si mesmos. O faccioso geralmente é um indivíduo solitário até o momento em que ar­regimenta outros para compartilhar do seu pensamento doentio. A igreja deve observá-lo e afastar-se dele.

2. Sensualismo e antinomismo.
Esses irmãos facciosos não apenas provocavam dissensões, mas também promoviam escândalos (Rm 16.17). A maioria dos comentaristas são de acordo que Paulo tinha em mente o movimento herético do primeiro século conhecido como gnosticismo. Era um movimento sectário, que tinha como prática o sensualismo e o antinomismo. Em outras palavras, como viam a maté­ria como algo ruim, não tinham apreço pelo corpo, já que este era material. Isso os conduzia a uma vida sensual. Por outro lado, outra consequência desse entendimento errado, estava na troca da doutrina bíblica por "palavras suaves e lisonjas" (Rm 16.18). Não havia regras para obedecer. Esse ensino de sabor adocicado, porém falso, tinha a capacidade de atrair os incautos.

SÍNTESE DO TÓPICO II
O individualismo, o sensualismo e antimonismo são ameaças as relações interpessoais.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO

Professor, mostre aos alunos os princípios cristãos estabelecidos por Paulo que nos ajudam desenvolver relacionamentos saudáveis:
Não devemos julgar ou desprezar outras pessoas cujas convicções diferem das nossas.

Devemos reconhecer o senhorio de Jesus Cristo como realidade prática Isso significa que devemos proteger a liberdade que os cristãos têm, indivi­dualmente, de tomarem suas próprias decisões quanto às 'contendas sobre duvidas'. Jesus, não a minha consciência, é o Senhor do meu irmão."

As 'contendas sobre dúvidas", nas quais divergimos, não são erradas nem certas em si mesmas. Mas, qualquer ato que viole a consciência é errado para as pessoas.

No exercício de nossa liberdade, devemos permanecer sensíveis às con­vicções dos outros. Escolher agir de maneira a beneficiar nossos irmãos é mais importante do que afirmar nossa liberdade de fazer algo que viole a consciência dos outros.

Estaremos em situação bem melhor se, todos nós, concordarmos em manter para nós mesmos nossas convicções sobre questões duvidosas, e tratarmos de assuntos relacionados a amar e servir uns aos outros.

Lembremo-nos sempre do exemplo de Cristo, Como Jesus aceitou a você e a mim? Ele nos recebeu em nossa imperfei­ção, Ele nos recebeu em ignorância. Ele nos recebeu enquanto velhas ainda estavam a nós, como as faixas de unho na sepultura ligavam o Lázaro que o Senhor ressuscitou (Jo 11.44), ). Jesus nos recebeu para uma experiência transformadora de amor, confiante de que o poder do perdão de Deus nos limparia e nos purificaria'* (RICHARDS, Lawrence O, Comentário Histórico-Culturaldo Novo Testamento, 7.ed .Rio de Janeiro: CPAD, 2000, p.323).

III – A FONTE  DAS INTERPESSOAIS

1. Existe em razão da sabedoria e soberania de Deus.
Paulo queria que os Romanos se certificassem de que ele lhes ensinara o Evangelho de Deus. O evangelho da graça faz parte do "mis­tério" que Deus deu a conhecer no final dos tempos (Rm 16.25).
Esse mistério, que esteve oculto, foi dado a conhecer à Igreja através de revelação do Espírito Santo. Era sobre o desvendar desse mistério que Paulo acabara de escre­ver. Deus, em sua soberania, permitiu que a sua sabedoria fosse revelada no evangelho da graça. O resultado foi a salvação a todo aquele que crer. A igreja de Roma era fruto disso.
Fonte: Lições Bíblicas de Adulto  - CPAD
2° Trimestre de 2016 – www.sub-ebd.blogspot.com
Divulgação: Blog †Subsídios EBD

2. Existe em razão da graça de Deus.
Paulo encerra a sua Epístola com uma expressão de louvor e adoração. Isso tinha uma razão de ser, a revelação da graça de Deus, mediante o Evangelho: "Mas que se manifestou agora e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé, ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém!" (Rm 16.26,27). Essas palavras de adoração nos fazem lembrar outra expressão de louvor do apóstolo: "Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!" (Rm 11.36).

SÍNTESE DO TÓPICO III
A sabedoria, a soberania e a graça de Deus são as fontes das relações interpessoais.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Ele é PODEROSO (16.25-27). Como é possível levar pecadores, motivados pelo e paixões pe­caminosos, por preconceitos e enormes diferenças sociais, a crerem numa comunidade unida pelo amor desprendido? Somente Deus pode fazer isso no mondo do século primeiro. Somente Deus pode proceder em nossos dias, A mensagem de Romanos é de que ele o da justiça imputada a nós pela fé, construída verdadeiramente confiança contínua em Deus vivo" (RICHARDS, Lawrence O, Guia do Leitor da Bíblia: Uma de a Apocalipse capítulo por capítulo. lO.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p* 752).

CONCLUSÃO
Nada mais apropriado do que encer­rar uma carta incentivando as relações interpessoais saudáveis. É isso o que Paulo faz no final da carta aos Romanos. Primeiramente vemos o quanto ele valorizou o relacionamento interpessoal saudável, doutrinando a igreja a respeito dos perigos das contendas e divisões.

O individualismo, o sensualismo e as heresias deveriam ser resistidos ener­gicamente. Muitos dos nomes que Paulo citou haviam labutado ombro a ombro com ele na edificação do Corpo de Cristo. Não eram lembranças nostálgicas, mas recordações que ajudavam a refrigerar a alma. Por último, não deveriam esque­cer de que a fonte e a origem de toda harmonia é Deus. Ele é a fonte de toda a graça dispensada.

PARA REFLETIR
A respeito da Carta aos Romanos, responda:
Paulo finaliza sua carta primeiramente recomendando a qual membro da igreja de Cencreia?
Paulo finaliza sua carta primeiramente recomendando a irmã Febe.
Cite o nome de algumas irmãs que cooperaram com Paulo.
Febe, Priscila, Áquila, Maria.
Qual era a recomendação de Paulo em relação aqueles que causavam dissensões e escândalos?
A igreja deve observá-lo e afastar-se dele.
Segundo a lição o que era o movimento herético do primeiro século conhecido como gnosticismo?
Era um movimento sectário, que tinha como prática o sensualismo e o antinomismo. Em outras palavras, como viam a matéria como algo ruim, não tinham apreço pelo corpo, já que este era material.
Como Paulo encerra a sua carta?
Paulo encerra a sua Epístola com uma expressão de louvor e adoração.
Fonte: Lições Bíblicas de Adulto  - CPAD
2° Trimestre de 2016 – www.sub-ebd.blogspot.com
Divulgação: Blog †Subsídios EBD


 
Top