FECHAR
Clique e acesse
 

28/02/2016
Classe de Jovens / 1° trimestre de 2016 / Editora: CPAD
TEXTO DO DIA
“De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida’’(Rm 6.4).

SÍNTESE
O crente uma vez justificado, morre para 0 pecado e passa a ter a mente de Cristo, que conduz sua emoção, sua vontade e seus membros para a prática da justiça de Deus.
AGENDA DE LEITURA
SEGUNDA - Rm 6.1 - O crente não pode abusar da graça de Deus
TERÇA - Rm 6.7 - O crente morre para 0 pecado na justificação QUARTA - Cl 2.12 - O crente é sepultado no batismo nas águas QUINTA - Fl 3-27 - O crente é batizado em Cristo
SEXTA - 1 Co 15. 54:1 Ts 4.16-18
A glorificação de Cristo com sua ressurreição é a garantia que o crente salvo terá um corpo glorificado
SÁBADO - Cl3.1-3; Ef 2.6 - O crente é ressuscitado com Cristo

OBJETIVOS
• CONSCIENTIZAR de que após a justificação o crente deve manter uma vida de santificação;
• SABER que após a justificação o crente assume uma nova posição diante de Deus;
• RECONHECER que após a justificação o crente deve viver em novidade de vida.

INTERAÇÃO
Paulo inicia esta perícope com um questionamento: "Que diremos, pois?”. Este questionamento parece ser uma forma de pressentimento de objeções que pairavam no ar sobre a doutrina da justificação pela fé. Às vezes, ao ler a epístola, tem-se a impressão que Paulo está sendo muito repetitivo, mas se olharmos atentamente chegaremos a conclusão de que ele está solidificando pontos que são importantes e que não podem ficar com dúvidas, pois se não for assim, os prejuízos poderiam ser grandes.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Professor, para comentar sobre a luta constante que o ser humano tem entre mortificar o desejo da carne de pecar e fortalecer o espírito fazendo a vontade de Deus, sugerimos que utilize a ilustração abaixo, bem conhecida e disponível nas redes sociais:
Uma noite, um velho índio falou ao seu neto sobre o combate que acontece dentro das pessoas. Ele disse:
- Há uma batalha entre dois lobos que vivem dentro de todos nós. Um é Mau - É a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça, arrogância, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade, orgulho falso, superioridade e ego. O outro é Bom - É alegria, fraternidade, paz, esperança, serenidade, humildade, bondade, benevolência, empatia, generosidade, verdade, compaixão e fé.
O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô:
- Qual lobo vence?
O velho índio respondeu:
- Aquele que você alimenta.
Aproveite a ilustração para aplicar o tema desta lição, enfatizando que o cristão somente conseguirá morrer para o pecado se deixar de alimentar as obras da carne em sua vida e alimentar sua alma, fazendo a vontade de Deus, como fez Jesus.
TEXTO BÍBLICO
Romanos 6.1-8

INTRODUÇÃO
No texto a ser estudado, Paulo apresenta um problema que pode surgir dependendo da interpretação da nova posição diante de Deus, perdoado gratuitamente e livre em Cristo. Nesta lição vamos refletir a respeito das mudanças que ocorrem com o crente após a justificação. Veremos que após a justificação, o salvo: deve morrer para o pecado e ocupar uma nova posição diante de Deus, andando em novidade de vida.

I - O JUSTIFICADO DEVE MORRER PARA O PECADO (vv.1-4, 6,7)

1. A má interpretação da justificação pela fé (v.1).
A doutrina da justificação pela fé não era tão fácil de ser assimilada por alguém que viveu anos debaixo do jugo da Lei. Imagine um judeu que viveu a vida toda sendo ensinado que a observância da Lei deveria ser rigorosa, pois era o único meio para se justificar diante de Deus. Coloque-se no lugar dele. De repente, aparece um judeu que há pouco tempo havia se convertido para uma nova religião (cristianismo), anunciando que Deus enviou o seu Filho como ser humano, permitindo que Ele morresse em uma cruz, levando a maldição de toda a humanidade sobre si e oferecendo o perdão gratuito a todas as pessoas que o reconheça como Deus, Praticamente tudo o que ele havia aprendido e tentado praticar é colocado por terra. Considere, então, ele aceitando esta pregação do Evangelho. Alguns conversos ao cristianismo, considerando a “facilidade” da vida na graça, continuavam ou acham que poderiam continuar na prática do pecado, confiando no perdão imerecido de Deus.

2. Advertência contra o abuso da graça (v.2).
O comportamento libertino apontado no tópico é a preocupação do apóstolo: “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça seja mais abundante?” (v.1). Este problema não é exclusivo da época da Igreja Primitiva, ainda hoje alguns cristãos interpretam equivocadamente a ação da graça de Cristo, Estes afirmam que uma vez justificados pela fé em Cristo, justificados para sempre. Para eles, a vida que a pessoa leva não interferirá mais em sua salvação, pois Deus não retiraria o dom da salvação já dado ao crente. Paulo é incisivo em sua resposta: “De modo nenhum!" (v. 2). O fato de ser justificado gratuitamente não dá o direito de abusar da graça de Cristo (Gl 5.1,13), contrariamente, devemos ser cada vez mais grato pela sua graciosidade e se espelhar no seu exemplo de vida. A liberdade que Cristo nos dá não é para fazermos o que quisermos, mas para viver uma vida genuinamente cristã.

3. Justificados e mortos para o pecado.
Conforme já visto anteriormente, o crente em Cristo é declarado justo no tribunal de Deus, mas ao mesmo tempo o velho homem morre legalmente, crucificado com Cristo, e ressurge como uma nova vida em sua ressurreição (2 Co 5.17). Na morte de Cristo Deus demonstra o julgamento justo e na sua ressurreição prova sua justiça. Alguns teólogos defendem que o crente morre e ressurge no batismo nas águas, como um sacramento obrigatório para salvação, entretanto o crente é crucificado e morto na justificação (v.7).

O batismo nas águas é um ato público para atender uma ordenança que formaliza simbolicamente o que já ocorreu, seu sepultamento (Cl 2,12). Entretanto, aqui não se trata especificamente da obra do Espírito Santo (1 Co 12.13: Gl 3,27). 0 salvo não pode mais servir ao pecado, pois a morte do escravo o liberta de sua escravidão (v. 6).
 Pense!
O fato de estarmos justificados peia graça de Cristo, não nos dá 0 direito de abusarmos da Uberdade em Cristo, mas sim seguirmos 0 exemplo de vida de Jesus.
O Ponto Importante
O apóstolo Paulo parece ser repetitivo no ensino sobre a doutrina da justificação pela fé, entretanto, o que pode ser percebido é a dedicação do apóstolo para não deixar brecha para más interpretações ou abusos dos crentes.

II - MORTOS PARA O PECADO (vv. 3-11)

1. Conhecendo a nova posição em Cristo (vv. 3,5-7,9).
O batismo nas águas já citado, é uma bela representação da nova posição do salvo em Cristo (v.3), morto para o pecado (debaixo da água) justificado e reconciliado com Deus (ao sair da água). O crente justificado sendo sepultado pela morte para o pecado e surgindo para uma nova vida em Cristo, uma nova disposição na relação com Deus. Esta nova posição assegura a vida eterna com Deus, mas também exige uma aproximação com a vida de obediência de Cristo, não priorizando a si mesmo e seus desejos, mas o bem da coletividade, o Reino de Deus. Uma nova identidade, não mais relacionada ao primeiro Adão, mas da descendência de Cristo, o segundo Adão, e membro de sua família. Esta nova vida, não significa que o crente nunca mais irá pecar, mas que não viverá na prática do pecado, como seu escravo. Portanto, uma vez justificados (instantaneamente), sigamos a santificação (processo continuo) durante toda a vida ou até o arrebatamento da Igreja.

2. Vivificados em Cristo (vv.8-11).
A nova vida com Cristo é uma vida separada e de intimidade, vivida com o propósito de nunca mais morrer espiritualmente. Identificados com a morte de Cristo, da mesma forma que Ele sofreu pelo evangelho, o salvo também passará por aflições (Jo 16.33). Todavia, acima de tudo, também identificados com sua ressurreição (v.5-7), em que teve a vitória decisiva sobre o pecado e retorna com o corpo glorificado de igual modo garante ao salvo a transformação do corpo corruptível em um corpo incorruptível, como 0 de Cristo (1 Co 15.54; 1 Ts 4.16-18). Mas a promessa não é somente para o futuro, 0 presente também é contemplado, pois a nova vida não é conquistada pela própria força, mas pela graça de Cristo que sustenta o fiel, até o ponto de suportar as diversas adversidades (Rm 8.35). Como instrui a palavra do apóstolo para Timóteo, quando este se achava só no ministério: “fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus" (2 Tm 2.1).

3. Embaixadores de Cristo na Terra.
Cristo cumpriu sua missão e retornou ao Pai, porém, como Igreja não nos retirou do mundo (Jo 17), mas deixou- nos para representar-lhe, anunciando seu evangelho, Morto e vivificado com Cristo, o cristão vive agora guiado pelo Espírito Santo, como embaixador de Cristo, conforme Paulo afirma à igreja de Corinto: “isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamos-vos, pois, da parte de Cristo que vos reconcilieis com Deus” (2 Co 5.19,20). Quem era condenado e sem esperança, passa a ser embaixador de Deus, anunciando o poder do Evangelho, revelação da justiça de Deus que transforma o ser humano e o prepara para a vida eterna.

O Pense!
Você tem sido grato pela sua nova posição diante de Deus?
O Ponto Importante
O batismo é a formalização pública que simboliza o sepultamento do crente, que já morreu para o pecado em sua justificação.

III - MORTO PARA O PECADO E EM NOVIDADE DE VIDA (vv, 12-14).

1. Quem reina na nova vida não é mais o pecado (v. 12).
O cristão ao receber a nova natureza durante o processo da justificação não aceita mais o reinado do pecado, não sente mais prazer em se submeter aos seus próprios desejos, mas sua consciência é orientada pelo Espírito Santo que o convence do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8-11).

Na época do apóstolo, se dizer cristão era risco de morte e de, no mínimo, preconceito, Atualmente, tem se tornado em determinados meios até “chique” se dizer evangélico ou “gospel”. Algumas pessoas têm se infiltrado na comunidade evangélica, se dizendo convertidas, mas com propósito de explorar as ovelhas do aprisco de Jesus. Fazem toda a pose teatral nas igrejas, mas fora delas continuam com a mesma vida de antes. No entanto, a orientação bíblica é que, uma vez justificado, o crente deve andar em novidade de vida, embora ainda com o corpo de pecado e morte (Rm 6.11; 7.24).

2. Libertando os membros do corpo do domínio do pecado (vv. 13,14a).
A intimidade com Cristo leva a uma mudança de mentalidade, em que as coisas que agradam a Deus são as que passam a orientar a vontade e as atitudes do crente. No nosso corpo físico, os membros atendem os comandos do cérebro (mente). No sentido espiritual não é diferente, pois uma vez tendo a mente de Cristo conduz-nos por completo à vontade de Deus.
A pessoa que tem a mente de Cristo discerne as coisas espirituais, mesmo no mundo material e usa os membros do corpo a serviço da justiça (2 Co 2.14,15). O “velho homem" tinha uma mente insubmissa ao Espírito Santo e entregue ao domínio do pecado, mas o salvo submete sua mente ao controle do Espírito Santo, assim a paz de Deus, que excede todo entendimento, guarda seu coração e seus sentimentos (Fp 4.6-7) e, consequentemente, conduz seus membros para a prática da justiça.

O Pense!
Quem está reinando em sua vida? Ao analisaras características de quem vive uma vida vitoriosa debaixo da graça, você consegue se incluir nesta forma de vida?
 Ponto Importante
A mente do crente justificado é renovada e dirigida pela intuição do Espírito, que passa a conduzir a emoção, a vontade e os membros do seu corpo físico para a prática da justiça.

SUBSÍDIO
Romanos 6
vv.1,2. O apóstolo é muito completo ao enfatizar a necessidade da santidade.
Não a elimina ao expor a livre graça do Evangelho, mas mostra que a conexão entre justificação e a santidade é inseparável. O pensamento de continuar em pecado para que a graça abunde, deve ser aborrecido, Os crentes verdadeiros são mortos para 0 pecado, portanto, não devem segui-lo. Ninguém pode estar vivo e morto ao mesmo tempo. Néscio é quem, desejando estar morto para o pecado pensa que pode viver nele.
vv. 3-10.  O batismo ensina a necessidade de morrer para o pecado, e viver em relação a toda a obra ímpia e iníqua como se tivesse sido sepultado, e ressuscitar para andar com Deus em uma nova vida, Os professos ímpios podem ter o sinal exterior de uma morte para o pecado e de um novo nascimento para a justiça, mas nunca saíram da família de Satanás para a família de Deus.
A natureza corrupta, chamada velho homem, porque derivou de Adão, o nosso primeiro pai, em todo crente verdadeiro esta crucificada com Cristo, pela graça derivada da cruz. Está enfraquecida e em estado moribundo, mesmo que ainda lute pela vida, e até pela vitória. Porém, todo o corpo do pecado, seja o que for que não concorde com a santa lei de Deus, deve ser abandonado para que o crente não seja mais escravo do pecado, mas viva para Deus e encontre alegria em seu serviço" (HENRY, Matthew. Comentário Bíblico de Matthew Henry í.ed, Rio de Janeiro: CPAD, 2002, p. 931).

CONCLUSÃO
Nesta lição, aprendemos que o apóstolo tinha uma preocupação que o incomodava: a possibilidade de má interpretação da doutrina da justificação pela fé e a prática da libertinagem. Por isso, reforça a necessidade da santidade.

HORA DA REVISÃO
1. Qual a preocupação do apóstolo quanto à má interpretação sobre a doutrina da justificação pela fé expressada em Romanos 6.1,2?

A preocupação do apóstolo é que as pessoas, em especial os judeu-cristãos, pudessem entender que a “facilidade" da justificação pela fé, sem obras, liberasse o crente para pecar, confiante no perdão gratuito de Deus.

2. A nova posição do crente justificado significa que ele não mais pecará?
Explique: A nova posição do crente justificado diante de Deus não significa que o crente nunca mais irá pecar, mas que não viverá na prática do pecado, como seu escravo.
3. Qual o texto bíblico em que Paulo afirma que somos embaixadores de Cristo?
Paulo afirma que somos embaixadores de Cristo em 2 Coríntios 5.20: “isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamos-vos, pois, da parte de Cristo que vos reconcilieis com Deus".

4. De acordo com a lição, o que acontece quando uma pessoa tem a mente de Cristo?
A pessoa que tem a mente de Cristo, permite que o Espírito Santo conduza sua emoção, sua vontade e os membros do corpo físico. A pessoa discerne as coisas espirituais, mesmo no mundo material e usa os membros do corpo a serviço da justiça (2 Co 2.14-15).

5. Qual a orientação dada na lição para as pessoas que querem viver uma vida vitoriosa debaixo da graça de Cristo?
Quem quer viver uma vida vitoriosa debaixo da graça de Cristo precisa aprender a primar por um bom testemunho (Cl4.5), seguira paz com todos, santificação e sem raiz de amargura (Hb 12.14-15), perdoar (Ef 4.32), amar com amor fraternal e dar honra aos outros (Rm 12.10), dentre outras atitudes incentivadas pela Bíblia.

 
Top